sábado, 26 de maio de 2018

Satunjira escreve pedaço da história do país - Por Ivone Soares*

Savana 02-08-2013
Cada vez que grandes eventos ocorrem em Moçambique um pedaço da história deste país se escreve. A título de exemplo, de 29 a 31 de Julho de 2013 em Satunjira, Gorongosa, esteve reunido, na sua segunda sessão ordinária, o Conselho Nacional da Renamo alargado a outros quadros. Foi um evento brilhante onde pude testemunhar a maravilha que é a democracia. Quando viajo pelas províncias na minha qualidade de mandatária do povo, ou nas missões político-partidárias sou interpelada por cidadãos preocupados com os seus pequenos ou grandes empreendimentos que podem não desenvolver caso ecluda uma guerra fratricida. Sobre esse assunto, as quase cinco centenas de participantes a segunda sessão ordinária do Conselho Nacional da Renamo exigiram a cessação das negociações entre a Renamo e o Governo da Frelimo depois da próxima ronda negocial. Ouviram-se vozes de vários conselheiros representantes das onze províncias do país exigindo um basta a tolerância demonstrada pelo Presidente da Renamo, Afonso Macacho Marceta Dhlakama. A maioria é de opinião que se em mais de uma dezena de rondas negociais ainda se está a debater o primeiro ponto da agenda não se vislumbrando até aqui o alcance de consensos, então que elas terminem. Porém, o Presidente Dhlakama acredita numa solução pacífica, encontrada por via do diálogo e por isso não concordou que o encontro RenamoGoverno da Frelimo a ter lugar no dia 5 de Agosto fosse o derradeiro. Ademais que a Assembleia da República tem como um dos pontos da sua agenda para a sessão extraordinária que iniciou a 1 de Agosto, a revisão Pacote Eleitoral. É que, não obstante, 14 rondas negociais terem acontecido, está na revisão do Pacote Eleitoral o cerne do “impasse” das negociações entre a Renamo e o Governo da Frelimo. Agora, se essa extraordinária do Parlamento moçambicano não buscar oferecer ao nosso país leis eleitorais transparentes, que confiram aos pleitos eleitorais a credibilidade que eles merecem, certamente as negociações terão sido um exercício governamental de entreter o maior partido da oposição em Moçambique, Renamo. Naturalmente, ficou claro que a Renamo tem um líder verdadeiramente visionário e amante da paz. Daí que em nome de uma real unidade nacional, da paz e da democracia duramente conquistada há que se trabalhar de mãos dadas para que continuemos um país uno e indivisível como reza a Constituição da República. É preciso que a Frelimo pare de promover ataques às delegações da Renamo e aos seus membros e sobretudo parar de incitar a Renamo a reagir, com violência. De nada adianta o discurso do senhor auto-estima que come sozinho, mas valia o do cabrito chefe que permitia que os demais comessem onde estivessem amarrados.

*Comunicóloga, Deputada da Assembleia da República pela Bancada Parlamentar da Renamo


Parece estar alojada nas mentes de certos meios oficiais ligados ao partido Frelimo, a ideia de que há órgãos de comunicação social e jornalistas do sector privado que são pagos por potências estrangeiras para desestabilizar o governo. Esta teoria conspirativa defende que os doadores estrangeiros que financiavam a oposição chegaram à conclusão de que esta era ineficaz para implementar a sua agenda, e encontraram, por isso, na imprensa independente a sua alternativa. Nada poderia ser melhor produto da fertilidade da imaginação de algumas mentes oucas. Sem apresentar qualquer tipo de provas, essas acusações estão a ser repetidas de forma sistemática, a tal ponto que já não nos podem deixar convencidos de que se trate de meros equívocos. São declarações que parecem fazer parte de uma campanha concertada nos laboratórios do trabalho ideológico do partido no poder e que visam desacreditar a imprensa independente, tornando esta culpada dos lapsos de governação que têm sido alvo de um amplo movimento de contestação popular. Não é que não estejamos habituados a este fenómeno. Não é a primeira vez, e certamente que não será a última, que um governo tenta desculpar-se dos seus insucessos procurando desenterrar imaginárias conspirações supostamente orquestradas do exterior. E neste acto de desepero, a imprensa é sempre o alvo de preferência. E não é difícil de perceber porque é que a imprensa, e sobretudo a imprensa livre, tem que ser um alvo a abater. A natureza do seu trabalho é manter a população informada do que se passa à sua volta, pondo à sua disposição instrumentos de análise que possam influenciar a sociedade e ajudá-la a compreender melhor as circunstâncias políticas, económicas e sociais em que se encontre num determinado momento. Por isso, para os estrategas da propaganda do partido, o primeiro passo para a consolidação do seu poder hegemónico é desactivar a imprensa independente, intimidando-a com acusações de traição. O objectivo é conseguir que a imprensa livre se remeta à defensiva e comece a pôr limites nas suas próprias palavras, recorrendo à auto-censura. Atingido esse objectivo, tudo o que resta para a sociedade consumir são enlatados de propaganda difundida por meios públicos que são subvertidos e desviados da sua missão original, para servir os interesses de uma elite predadora que usa o seu controlo do Estado para fins que são alheios aos do povo. É um insulto grave tentar insinuar que profissionais testados, alguns com mais de metade de século de vida e dezenas de anos nas trincheiras do jornalismo, sejam tão ingénuos e baratos para se deixarem comprar por umas moedas de prata somente com o único objectivo de desestabilizar o governo do seu próprio país. É elevar o intriguismo ao seu expoente máximo tentar sugerir que há jornalistas patriotas e não patriotas. Todos somos moçambicanos e devemos lealdade a esta Pátria. Haverá, obviamente, jornalistas que por qualquer razão gostariam de ver um outro governo no lugar do actual. Do mesmo modo que há jornalistas que acreditam que este é o melhor governo que alguma vez existiu em Moçambique. Mas a ambos estes grupos, assiste-lhes a lei que lhes dá o direito à livre escolha. E escolher estar do lado oposto ao do governo do dia não pode ser interpretado como significado de que alguém esteja ao serviço de interesses estrangeiros. Na verdade, se uma parte considerável do Orçamento Geral do Estado (OGE) é financiada por recursos provenientes dos doadores, e tendo em conta que os órgãos de comunicação social do sector público sobrevivem das subvenções que recebem deste mesmo orçamento, não será difícil perceber qual é a parte da nossa imprensa que vive à custa do dinheiro que vem do estrangeiro. Os que propalam a ideia de que a imprensa privada recebe subsídios do exterior para desestabilizar o governo esquecem-se, por uma questão de conveniência, que a imprensa não tem o poder de inventar factos, e que muitas vezes os pontos de vista veiculados pela imprensa são apenas a manifestação escrita, falada ou de imagem daquilo que é o sentimento geral da sociedade sobre o seu dia-a-dia. Ao apontar a imprensa privada como o culpado da actual situação que se vive no país, a máquina de propaganda do regime pretende desresponsabilizar os governantes, apresentando-os como meras vítimas de campanhas orquestradas do exterior e veiculadas internamente por elementos anti-patriotas alojados no seio da imprensa privada. Esta é uma falha de análise que não só serve para desinformar o público, como também não contribui para que os mesmos dirigentes a quem se tenta proteger, reflictam honestamente sobre a sua própria governação. A imprensa independente peca muitas vezes por todos os dias nos trazer verdades amargas. Mas o pior é sermos entretidos na boca com um rebuçado revestido de uma camada grossa de chocolate, mas que no seu miolo contém uma carga altamente explosiva de veneno. A



Resultados da procura

Jorge Pedro Sousa, As notícias e os seus efeitos - BOCC
www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-pedro-jorge-noticias-efeitos.html



de JP Sousa - ‎Citado por 285 - ‎Artigos relacionadosNa primeira parte do livro, abordo a teoria e a história do jornalismo, consagrando ... Na segunda parte, atento nos efeitos da comunicação social jornalística, .... quer mesmo em certos sectores domeio profissional dos jornalistas, onde ..... onde os órgãos jornalísticos geralmente são privados e onde a censura formal está ...


RiseUP Portugal - "A CIA manda escrevermos pró-NATO,... - Facebook
▶ 4:19
https://www.facebook.com/RiseupPortugal/.../1212502482106529/
21/10/2016Em 2014, um dos mais reputados jornalistas alemães e ex-assessor do ... dosjornalistas que operam ...


ABECOM - Eca-Usp
www.eca.usp.br/associa/abecom/resenhas/resenhas2.html



Livro : Teorias do Jornalismo ... Neste livro, ao responder à questão “o que é jornalismo? ... científicos, competindo com disciplinas tradicionais das ciências sociais. ... do Grupo de Pesquisa deJornalismo On Line (GJOL) da UFBA e está dividida em ... de crise do Ofício de Jornalista, o que este livro nos oferece são idéias.

17318969 , 11180584 de 8810298 . 7595560 a 5829571 que ...
https://natura.di.uminho.pt/svn/pln2007/tokens.todos


... são 341527 está 334169 ; 330541 Os 310346 ter 301380 ontem 297686 há ... 73503 momento 73447 afirmou 73243 entanto 73033 governo 72921 social 72603 ... 63440 segunda 63028 Há 62935 guerra 62704 apesar 62525 parece 62293 .... 16906 garante 16903 ideias 16893 estrangeiro 16891 GNR 16885 derrota ...

12392108 , 8176954 de 5911237 . 5661841 a 4345946 que 3953982 ...
https://natura.di.uminho.pt/svn/main/misc/freqnormpt/cetemGordo.txt


355 apressado 355 andamentos 355 aliar 355 adiantadas 355 academias 355 Seko 355 Oficiais 355 Lado 355 Geometria 355 Filarmonia 355 Felix 355 ...

Lista de formas deste corpo e sua frequência - Linguateca
https://www.linguateca.pt/acesso/tokens/formas.chave.txt


... lá 24176 António 24137 preços 24137 Ministério 24112 Europa 24090 parece 24086 ... 18723 futebol 18686 modo 18676 vem 18675 está 18642 Comissão 18580 ... militares 12339 comercial 12325 metros 12287 sector 12281 oficial 12257 ... 9574 Social 9570 idéia 9568 querem 9564 segunda-feira 9559 Junho 9558 ...

Lista de formas deste corpo e sua frequência - Linguateca
https://www.linguateca.pt/acesso/tokens/formas.avante.txt7400 está 7284 Os 7235 há 7048 luta 7007 todos 6842 sem 6829 social 6801 E ... 1080 Comunista 1075 parece 1074 oposição 1071 solução 1071 confiança 1069 ... 890 texto 888 sexta-feira 888 domingo 887 fiscal 887 defende 886 certo 885 .... oficiais 489 investigação 488 utentes 488 termo 488privados 488 acusa ...

20,1 Mb - Linguateca
https://www.linguateca.pt/acesso/tokens/formas.total.txt


331716 Mas 328246 está 323804 nas 321791 ! ... 166072 Governo 165852 caso 163580 me 163550 Um 163135 São 162484 primeira ... 74880 sentido 74616 últimos 74468 Jorge 74269 30 74082 parece73710 neste 73699 .... 17921 Esse 17915 idéia 17913 manutenção 17902 recurso 17895 órgãos17889 líderes ...

16,1 Mb - Linguateca
https://www.linguateca.pt/acesso/tokens/formas.totalpt.txt... 320473 E 309718 são 296355 está 293281 Os 292351 muito 291823 ter 280808 há ... República 63299 obras 63141 Segundo 62793 parece 62710 conta 62442 ... governo 34854 metros 34849 disso 34844 Partido 34824 série 34791 título .... oficiais 15551 cumprir 15549 apresentou 15543 jornalista15509 sectores ...

SAVANA de 02 de Agosto - Documents
https://dokumen.tips › Documents


Para o município da Beira, o partido Frelimo avança com os nomes de ...... Soares* Parece estar alojada nas mentes de certos meios oficiais ligados ao ... do sector privado que são pagos porpotências estrangeiras para desestabilizar o governo. Esta teoria conspirativa defende que osdoadores estrangeiros que financia- ...




Pesquisas relacionadas com P arece estar alojada nas mentes de certos meios oficiais ligados ao partido Frelimo, a ideia de que há órgãos de comunicação social e jornalistas do sector privado que são pagos por potências estrangeiras para desestabilizar o governo. Esta teoria conspirativa defende que os doadores estrangeiros que financiavam a oposição chegaram à conclusão de que esta era ineficaz para implementar a sua agenda, e encontraram, por isso, na imprensa independente a sua alternativa. Nada poderia ser melhor produto da fertilidade da imaginação de algumas mentes oucas. Sem apresentar qualquer tipo de provas, essas acusações estão a ser repetidas de forma sistemática, a tal ponto que já não nos podem deixar convencidos de que se trate de meros equívocos. São declarações que parecem fazer parte de uma campanha concertada nos laboratórios do trabalho ideológico do partido no poder e que visam desacreditar a imprensa independente, tornando esta culpada dos lapsos de governação que têm sido alvo de um amplo movimento de contestação popular. Não é que não estejamos habituados a este fenómeno. Não é a primeira vez, e certamente que não será a última, que um governo tenta desculpar-se dos seus insucessos procurando desenterrar imaginárias conspirações supostamente orquestradas do exterior. E neste acto de desepero, a imprensa é sempre o alvo de preferência. E não é difícil de perceber porque é que a imprensa, e sobretudo a imprensa livre, tem que ser um alvo a abater. A natureza do seu trabalho é manter a população informada do que se passa à sua volta, pondo à sua disposição instrumentos de análise que possam influenciar a sociedade e ajudá-la a compreender melhor as circunstâncias políticas, económicas e sociais em que se encontre num determinado momento. Por isso, para os estrategas da propaganda do partido, o primeiro passo para a consolidação do seu poder hegemónico é desactivar a imprensa independente, intimidando-a com acusações de traição. O objectivo é conseguir que a imprensa livre se remeta à defensiva e comece a pôr limites nas suas próprias palavras, recorrendo à auto-censura. Atingido esse objectivo, tudo o que resta para a sociedade consumir são enlatados de propaganda difundida por meios públicos que são subvertidos e desviados da sua missão original, para servir os interesses de uma elite predadora que usa o seu controlo do Estado para fins que são alheios aos do povo. É um insulto grave tentar insinuar que profissionais testados, alguns com mais de metade de século de vida e dezenas de anos nas trincheiras do jornalismo, sejam tão ingénuos e baratos para se deixarem comprar por umas moedas de prata somente com o único objectivo de desestabilizar o governo do seu próprio país. É elevar o intriguismo ao seu expoente máximo tentar sugerir que há jornalistas patriotas e não patriotas. Todos somos moçambicanos e devemos lealdade a esta Pátria. Haverá, obviamente, jornalistas que por qualquer razão gostariam de ver um outro governo no lugar do actual. Do mesmo modo que há jornalistas que acreditam que este é o melhor governo que alguma vez existiu em Moçambique. Mas a ambos estes grupos, assiste-lhes a lei que lhes dá o direito à livre escolha. E escolher estar do lado oposto ao do governo do dia não pode ser interpretado como significado de que alguém esteja ao serviço de interesses estrangeiros. Na verdade, se uma parte considerável do Orçamento Geral do Estado (OGE) é financiada por recursos provenientes dos doadores, e tendo em conta que os órgãos de comunicação social do sector público sobrevivem das subvenções que recebem deste mesmo orçamento, não será difícil perceber qual é a parte da nossa imprensa que vive à custa do dinheiro que vem do estrangeiro. Os que propalam a ideia de que a imprensa privada recebe subsídios do exterior para desestabilizar o governo esquecem-se, por uma questão de conveniência, que a imprensa não tem o poder de inventar factos, e que muitas vezes os pontos de vista veiculados pela imprensa são apenas a manifestação escrita, falada ou de imagem daquilo que é o sentimento geral da sociedade sobre o seu dia-a-dia. Ao apontar a imprensa privada como o culpado da actual situação que se vive no país, a máquina de propaganda do regime pretende desresponsabilizar os governantes, apresentando-os como meras vítimas de campanhas orquestradas do exterior e veiculadas internamente por elementos anti-patriotas alojados no seio da imprensa privada. Esta é uma falha de análise que não só serve para desinformar o público, como também não contribui para que os mesmos dirigentes a quem se tenta proteger, reflictam honestamente sobre a sua própria governação. A imprensa independente peca muitas vezes por todos os dias nos trazer verdades amargas. Mas o pior é sermos entretidos na boca com um rebuçado revestido de uma camada grossa de chocolate, mas que no seu miolo contém uma carga altamente explosiva de veneno. 

As incertezas e os méritos deixados por Afonso Dhlakama

O desaparecimento do Presidente da Renamo abre um processo de luta pela sucessão. Dhlakama preparou alguém? Quem vai avançar? O partido quer um civil ou um militar?
Fotogaleria
O político e ex-guerrilheiro moçambicano Afonso Dhlakama, líder da Renamo há quase 40 anos, morreu esta quinta-feira à tarde na sequência de uma crise diabética, confirmaram ao PÚBLICO duas fontes que acompanham de perto o processo de paz e a política de Moçambique. Dhlakama terá morrido a bordo de um helicóptero que o transportava para tratamento médico urgente.
O líder do maior partido da oposição de Moçambique tinha 65 anos e vivia na região da Gorongosa, no centro do país, para onde se mudou após o regresso da guerra civil, em 2014. Desde o último cessar-fogo entre a Renamo e a Frelimo, no poder, em Março de 2017, que se esperava que Dhlakama regressasse a Maputo e liderasse a oposição a partir da capital.
"Há 40 anos que a Renamo é Dhlakama, Dhlakama, Dhlakama, Dhlakama. Vai ser um processo interno difícil e complicado", disse ao PÚBLICO um observador da política moçambicana que pediu para não ser identificado. Não é claro quem vai ser o seu sucessor no partido.
"Que se saiba, Dhlakama não tinha um sucessor indicado e não há um homem ou mulher forte evidentes para o substituir", diz Fernando Jorge Cardoso, especialista em assuntos africanos e professor de Economia no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.
PÚBLICO -
Foto
O encontro com o Presidente Filipe Nyusi, na Gorongosa, em Agosto de 2017 GABINETE DE IMPRENSA DO PRESIDENTE DE MOÇAMBIQUE / LUSA

Novo líder: civil ou militar?

Ivone Soares, sobrinha de Dhlakama e líder da bancada parlamentar da Renamo na Assembleia da República, em Maputo, tem apoiantes. Mas o que alguns vêem como vantagens, outros vêem como desvantagens. "É uma mulher jovem, urbana, cosmopolita e com um discurso que faz sentido, e a Renamo é um partido que precisa de se rejuvenescer e renovar" mas onde domina ainda a ideia dos "companheiros de armas" ao lado de quem se lutou na guerra civil, diz Fernando Jorge Cardoso, que é também investigador do Instituto Marquês de Valle Flôr. Outro possível candidato à sucessão é Manuel Bissopo, secretário-geral do partido.
"Moçambique não é uma monarquia e a Renamo tem estatutos muitos claros", alerta numa conversa por telefone um político moçambicano. "Depois do luto, haverá um congresso e as bases é que vão eleger o novo líder."
São muitas as questões em aberto. Será que Dhlakama, estando doente há muito tempo, preparou discretamente um sucessor durante os últimos três anos na Gorongosa? "Será que preparou um general no mato?", pergunta o mesmo político moçambicano. É improvável que, pelo menos junto do seu círculo mais íntimo e de confiança extrema, o Presidente da Renamo não tenha discutido o assunto.
Independentemente de o futuro líder da Renamo vir a ser civil ou militar, homem ou mulher, é seguro dizer que "começa hoje uma nova era", diz outro observador da política africana.
Este será um processo praticamente inédito na história da Renamo, uma vez que, para além de Dhlakama, o partido só teve um outro líder: André Matsangaíssa foi comandante da Renamo entre 1975 e 1979. Após a sua morte, durante a guerra civil, Matsangaíssa foi sucedido por Dhlakama, então com 26 anos.

Os "dois méritos" de Dhlakama

Fernando Jorge Cardoso, que nos anos 1970, a seguir à independência de Moçambique, esteve ao lado da Frelimo e com a qual trabalhou, identifica dois méritos em Dhlakama, que correspondem às duas vidas da Renamo: "Foi capaz de transformar um movimento militar — que começou por ser formado pelos serviços secretos da Rodésia do Sul com um perfil de força de contenção e controlo de fronteiras — num movimento nacional de resistência e luta contra a Frelimo. No início, a Renamo juntava os 'flechas', os comandos e os homens controlados por Jorge Jardim [o famoso operacional que, durante a ditadura portuguesa, despachava directamente com António de Oliveira Salazar], mais os moçambicanos negros que tinham lutado com as Forças Armadas do Estado Novo. Os serviços secretos rodesianos acolheram-nos e treinaram-nos. A Renamo era comandada a partir da Rodésia do Sul e, mais tarde, a partir de Pretória. Dhlakama faz essa transformação. Conseguiu apoio na população para lutar ao seu lado e, mais tarde, logo nas primeiras eleições, em 1994, conseguiu um forte apoio popular, uma margem muito maior do que a Frelimo esperava."
"O segundo mérito", continua o professor Fernando Jorge Cardoso, "foi conseguir chegar a um acordo de paz resolvendo os problemas que tinham ficado por resolver" no acordo de paz de Roma, ou seja, incluindo a polícia e os outros órgãos de segurança no processo de integração dos ex-guerrilheiros da Renamo na sociedade moçambicana. O Acordo Geral de Paz, assinado em 1992 entre o então Presidente Joaquim Chissano e Afonso Dhlakama, abrangeu apenas o Exército.
Neste primeiro dia de Moçambique sem Dhlakama, o professor tem uma certeza e duas interrogações. A primeira é que, "felizmente, a estrada foi aberta e a preparação para o machado de guerra ser enterrado foi feita". Nesse aspecto, está optimista. "Ninguém está interessado em voltar à guerra, nem num lado, nem no outro."
As dúvidas têm a ver com o impacto que o processo de sucessão poderá a vir a ter nas próximas eleições. Moçambique vai ter eleições autárquicas em Outubro e legislativas e presidenciais em Outubro de 2019. A Renamo contestou as últimas eleições legislativas, em 2014 (57% para a Frelimo, 36,6% para a Renamo e 6,3% para o MDM) e recusou participar nas últimas municipais. Estava, de certo modo, afastada do processo político. "Agora havia acordo. A Renamo tinha decidido participar nas eleições. Nesse sentido, a morte de Dhlakama poderá perturbar o processo" —  mesmo que seja apenas ao nível da logística e do tempo, pois os órgãos do partido vão ter de reunir e organizar um congresso para a sua sucessão, a atenção do aparelho partidário vai ser redireccionada. "Nesse sentido, vai haver um retrocesso", diz o professor.
A outra dúvida refere-se à Frelimo: será que o partido no poder vai tentar fazer algum aproveitamento político da situação, encarando a Renamo como um partido enfraquecido? O Presidente Filipe Nyusi, acredita o especialista, "dará o máximo para tentar que a Renamo entre nas eleições: ele sabe que isso é do interesse da própria Frelimo".
Depois de dois anos (2014-16) de um regresso à guerra civil ao qual chamaram “tensão político-militar”, Nyusi e Dhlakama acordaram um cessar-fogo, encontraram-se pessoalmente e começaram a falar ao telefone. O escândalo da "dívida oculta" (desapareceram 2,2 mil milhões de dólares dos cofres do Estado) deixou o país mergulhado numa profunda crise, com falta de cash e de credibilidade internacional. O FMI e a comunidade de doadores suspenderam contribuições financeiras previstas — incluindo Portugal, que mantém o apoio a projectos sociais, mas congelou a sua participação regular para o Orçamento do Estado moçambicano. Para adensar a crise, Maputo mantém um silêncio constrangedor sobre o desaparecimento de Américo Sebastião, um empresário português desaparecido na Beira em 2016, e as relações bilaterais entre Lisboa e Maputo estão muito tensas, sobretudo nos bastidores.
Não é por acaso que, na nota oficial a lamentar a morte de Dhlakama, o gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, elogia o "empenhamento" do líder da Renamo no processo que levou ao acordo de paz de 1992 e às tréguas de 2016-17, mas "faz votos para que este desígnio seja plenamente realizado, em prol da estabilidade e desenvolvimento de Moçambique".

elementos de jornalismo impresso

uma história do jornalismo em portugal até ao 25 de abril de 1974


1 2 3 Próximo

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.